Arquivo de Notícias 2011

TRÁFEGO CLOUD COMPUTING CRESCERÁ DOZE VEZES EM 2015

  • Enquanto o tráfego global nos Data Centers crescerá 33% cada ano entre 2010 e 2015, o tráfego Cloud aumentará duas vezes mais rápido (66% anual)
  • Para o ano 2015, prevê-se que o tráfego Cloud represente mais de um terço (1,6 Zettabytes) de todo o tráfego global nos Data Centers (4,8 Zettabytes).
  • 51% de todo o esforço de computação será processado em ambientes Cloud em 2014.

 

O tráfego global criado nos centros de processamento de dados (CPDs) crescerá quatros vezes em relação aos 1,1 Zettabytes registados em 2010 prevendo-se que atinja em 2015 4,8 Zettabytes anuais, o que pressupõe uma taxa de crescimento inter-anual de 33%.

 

Por sua vez, o subconjunto de tráfego nos data centers que crescerá com maior rapidez é o Cloud Computing, que aumentará 12 vezes dos 130 Exabytes contabilizados em 2010 para os 1,6 Zettabytes previstos para 2015 (crescimento inter-anual de 66%).

 

Esta é a conclusão do primeiro Índice Global Cloud (2010-2015) elaborado pela Cisco, no qual se revela que a maior parte do tráfego nos Data Centers não é causado pelos utilizadores mas sim pelos ditos centros e as suas operações.

 

Desta forma e à medida que o esforço de computação como o armazenamento e a autenticação se apoiam cada vez mais em máquinas virtuais, para o ano 2015 está previsto que 76% de todo o tráfego de data center, irá estar localizado nos CPDs, enquanto outros 7% irão criar-se a partir da comunicação entre data centers para levar a cabo actividades como a réplica de dados e actualizações. Os 17% restantes correspondem aos processos dos data centers destinados a actividades dos utilizadores.

 

Dados adicionais

O tráfego Cloud cresce duas vezes mais rápido que o tráfego de Data Center
A rápida transição para serviços na nuvem está a fazer com que o tráfego Cloud cresça a um ritmo duas vezes superior ao do tráfego nos Data Centers, a nível global. Enquanto este último multiplicar-se-á por quatro entre 2010 e 2015 (crescimento inter-anual de 33%), o tráfego Cloud aumentará 12 vezes no mesmo período (66% de incremento inter-anual).

 

Comparados com os CPDs tradicionais, os data centers Cloud oferecem um maior rendimento, capacidade e facilidade de gestão. A virtualização como tecnologia chave para a adopção de ambientes Cloud facilita a consolidação do hardware e software, uma maior automatização e segurança integrada.

 

O tráfego Cloud prevê um terço de todo o tráfego data center global
• Enquanto o tráfego cloud global representava 11% (9,7 Exabytes mensais ou 116 Exabytes anuais) do tráfego data center global em 2010, este rácio aumentará para 34% em 2015 (36 Exabytes mensais ou 1,6 Zettabytes anuais), o que supõe mais de um terço de todo o tráfego data center global.
• A maior virtualização e as economias de escala optimizadas serão uma alavanca chave na transição até à Cloud.

 

Evolução do esforço de computação
• Em 2010, 21% de todo o esforço de computação foi processado em ambientes Cloud, enquanto os 79% restantes foram geridos nos data centers tradicionais.
• 2014 será o primeiro ano em que mais de metade de todo o esforço de computação (51%) será processado em ambientes Cloud, contra 49% que continuarão a ser geridos em ambientes de TI tradicionais.
• Enquanto o esforço de computação total em todos os data centers irão multiplicar-se por 2,7 entre 2010 e 2015, o esforço de computação Cloud aumentará mais de sete vezes no mesmo período.

 

2,5 vezes mais tráfego gerado pelos utilizadores finais durante os picos de actividade
Devido principalmente ao crescimento exponencial do consumo de serviços baseados no vídeo, o tráfego gerado desde os CPDs até aos consumidores tem passado por alguns picos de actividade importantes. Durante estes picos – igual ao que sucede com as horas de audiência máxima na TV – espera-se que os consumidores gerem até 2,5 vezes mais tráfego por hora que a média habitual, o que requer uma planificação de capacidade adicional tanto dos data centers e da cloud que é semelhante à que já se realiza na rede.

 

Preparação para ambientes Cloud à escala global
Com a finalidade de avaliar a preparação para os ambientes Cloud, o relatório da Cisco analisa diversas variáveis em distintas zonas geográficas, como a disponibilidade de banda larga, a velocidade média de download e upload de dados ou o índice médio de latência de rede.
• Actualmente, todas as regiões incluídas no estudo - Europa Ocidental, Europa Central e de Leste, América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e Médio Oriente e África - estão preparadas para aplicações básicas de Cloud Computing, como redes sociais e conferências web.
• No caso de aplicações mais pesadas como streaming de vídeo em alta definição ou chat de vídeo, a Europa Ocidental, Europa Central e de Leste, América do Norte e Ásia-Pacífico contam já com a capacidade de rede média necessária para suportar ditos serviços.

 

Como refere Luis Palacios, director de desenvolvimento de Negócio para Data Center e Virtualização na região South da Cisco, “impulsionados por factores como a procura dos consumidores de aceder a uma grande quantidade de conteúdos sobre os dispositivos da sua eleição, o tráfego nos centros data centers e o tráfego Cloud estão a crescer exponencialmente, resultando numa maior relevância de virtualização, e da rede como base fundamental dos serviços e aplicações Cloud.”
“O Índice Global Cloud da Cisco, é um recurso chave para ajudar as organizações a conhecer o crescimento e as tendências de tráfego IP e para tomar as medidas necessárias para garantir um nível eficaz de serviços. Continuaremos a elaborar e a apresentar o relatório para facilitar assim a preparação de organizações de todo o mundo no seu caminho até à Cloud”.

 

Sobre o Índice Global Cloud da Cisco
O Índice Global Cloud (2010-2015) da Cisco foi elaborado com a finalidade de calcular as tendências de crescimento e evolução de tráfego IP (Protocolo de Internet) nos data centers e ambientes Cloud à escala Global. Dado que a rede e os data centers encontram-se cada vez mais unidos intrinsecamente, o relatório é um complemento a outros estudos sobre o tráfego de rede, que proporciona novos dados sobre as tendências  dos CPDs e das arquitecturas Cloud.
O Índice Global Cloud da Cisco baseia-se na análise e modelagem de diversas fontes primárias e secundárias, incluindo a análise de mais de 30 Terabytes de dados gerados cada mês durante o ano passado a partir de uma grande variedade de data centers de todo o mundo, medições procedentes de mais de 45 milhões de testes de redes e previsões de mercado de outras empresas.
O Índice Global Cloud da Cisco inclui também uma previsão sobre a “transição de cargas de trabalho” desde os data centers tradicionais ao Cloud, bem como uma análise “Cloud Readiness” (Preparação para ambientes Cloud) das principais zonas geográficas e a capacidade das suas redes para suportar diversos tipos de serviços e aplicações Cloud destinadas ao ambiente empresarial e de consumo.
Pode fazer o download de um white paper sobre o Índice Global Cloud da Cisco com as suas previsões detalhadas e a sua metodologia fazendo um clique aqui. Para obter uma imagem válida sobre o seu uso em blogues e redes sociais, faça clique aqui.

 

Recursos de apoio

Conte connosco

  • Ligue grátis 800 880 456
  • Dias úteis, 9h-13h e 14h-18h
Partilhar