WAN : T1/E1 e T3/E3

Testes de Loopback para Linhas T1/56K

1 Julho 2009 - Tradução Manual
Outras Versões: Versão em PDFpdf | Tradução por Computador (29 Julho 2013) | Inglês (6 Março 2008) | Feedback

Índice

Introdução
Pré-requisitos
      Requisitos
      Componentes Utilizados
      Convenções
Informações de Apoio
Execução de Testes de Loopback na CSU/DSU
      Loopback de Software da CSU/DSU
      Loopback de Hardware da CSU/DSU
      Plugues de Loopback
Testes de Loopback Assistidos pela Companhia de Telecomunicações
Testes de Diagnóstico Durante Loopback
      Preparação para o Teste de Ping Estendido
      Execução de Testes de Ping Estendidos
Discussões relacionadas da comunidade de suporte da Cisco

Introdução

Quando uma linha serial não apresenta o resultado esperado, a melhor forma de solucionar problemas no circuito é executar testes de loopback. Os testes de loopback permitem isolar peças do circuito e testá-las separadamente. Inicie os testes de loopback nas instalações do cliente com testes de loopback da unidade de serviço de dados/unidade de serviços de canal (CSU/DSU). Em seguida, prossiga com os testes de loopback que envolvem a companhia de telecomunicações ou o provedor.

Pré-requisitos

Requisitos

Não existem requisitos específicos para este documento.

Componentes Utilizados

As informações contidas neste documento são baseadas no Cisco IOS® Software Release 12.0.

Convenções

Consulte as Convenções de Dicas Técnicas da Cisco para obter mais informações sobre convenções de documentos.

Informações de Apoio

Dois tipos de testes de loopback podem ser usados para isolar problemas no link serial: loopbacks de software e loopbacks de plugue de hardware. Seja uma CSU/DSU interna ou externa, você pode implementar loopbacks de software e hardware no roteador.

  • Geralmente, os loopbacks locais de software são implementados com um comando de configuração do Cisco IOS ou com um botão de loopback para algumas CSU/DSUs.

  • Um cabo ou plugue de loopback inserido na CSU/DSU pode ser usado para loopbacks de hardware.

Se os testes de loopback da CSU/DSU provarem que o equipamento do roteador, a CSU/DSU e os cabos de conexão não estão defeituosos, execute mais testes com a companhia de telecomunicações ou o provedor do circuito.

Este diagrama descreve os vários testes de loopback que você pode executar para isolar o seu problema de linha serial de forma precisa.

loopback.gif

warning Aviso: Todos os testes de loopback utilizam o circuito. Portanto, ao solucionar problemas no seu circuito, você não poderá transmitir tráfego por este link.

Nota: Todos os testes de loopback são realizados com o encapsulamento HDLC.

Execute Testes de Loopback na CSU/DSU

Nota: Consulte o Loop Local para o Roteador no diagrama acima.

Apesar de você poder executar ambos os testes de loopback de software e hardware em uma CSU/DSU, um plugue de loopback é mais eficiente para isolar problemas. Geralmente, um loopback de software para o roteador executa apenas o loop da funcionalidade da DSU de uma CSU/DSU. Um loopback de hardware pode provar que toda a CSU/DSU não está defeituosa.

Loopback de Software da CSU/DSU

Para uma CSU/DSU interna, o loopback de software é implementado com um comando de configuração do Cisco IOS. Para a maioria das plataformas, o comando apresenta a forma loopback, loopback dte ou loopback local. Isso executa o loop do circuito de dentro da CSU/DSU para o roteador e, portanto, isola essa seção do circuito.

Para executar o teste de loopback em T1s canalizados usando a Interface de Taxa Primária (PRI) ou a sinalização associada a canais (CAS), você deverá usar o comando da controladora T1 channel-group. Use esse comando para criar uma ou mais interfaces seriais mapeadas para um conjunto de intervalos de tempo no T1 canalizado.

Nota: Se o T1 estiver configurado como uma PRI, você precisará remover pri-group antes de usar o comando channel-group.

Se você desejar executar um loopback de software na CSU local, configure o loopback local na controladora. Aqui está um exemplo que usa estes comandos:

Router#configure terminal

Enter configuration commands, one per line.  End with CNTL/Z.
Router(config)#controller t1 0
Router(config-controller)#no pri-group timeslots 1-24
Router(config-controller)#channel-group 0 timeslots 1-24 speed 64

!--- Cria automaticamente uma única interface Serial0:0. 

Router(config-controller)#loopback local

!--- O comando loopback local acima é necessário somente para loopbacks de software.

Router(config-controller)#exit
Router(config)#interface serial 0:0 
Router(config-if)#encapsulation hdlc

!--- Nota: Todo o teste de loopback é feito com o encapsulamento hdlc.

Nota: Este exemplo cria uma interface Serial0:0 única (onde o primeiro 0 representa a controladora e o segundo 0 representa o número do grupo de canais) e usa todos os 24 intervalos de tempo para um total de 1,536 Mbps de largura de banda. Se você utilizar o tipo de framing Super Frame (SF) e a codificação de linha de inversão de marcas alternativa (AMI), use "speed 56" no comando channel-group. SF/AMI não oferece suporte a DS0s de canais livres.

Consulte a seção Testes de Diagnóstico Durante Loopback para obter informações sobre o que deve ser verificado durante o loopback.

Loopback de Hardware da CSU/DSU

O teste de plugue de loopback de hardware é usado para verificar se o roteador e toda a CSU/DSU apresenta falhas. Se um roteador passar em um teste de plugue de loopback de hardware, o problema está em algum outro lugar da linha. Consulte as diretrizes abaixo para criar um plugue de loopback e, em seguida, insira o plugue no lado da rede (companhia de telecomunicações) da CSU/DSU.

Para o teste de loopback de hardware, primeiro execute os passos descritos na seção de loopback de software, exceto quanto à configuração do loopback local na controladora. Se você tiver configurado o loopback local na controladora, desfaça-o através do comando no loopback local antes de prosseguir.

Consulte a seção Testes de Diagnóstico Durante Loopback para obter informações sobre o que deve ser verificado durante o loopback.

Plugues de Loopback

Nota: Os pinos em um plugue do cabo RJ-45 são numerados de 1 a 8. Com os pinos metálicos do plugue voltados para você, o pino 1 será o pino mais à esquerda.

RJ45.gif

A CSU/DSU T1 possui uma pinagem diferente da CSU/DSU de 56k de quatro fios. O conector para a CSU/DSU T1 é um RJ-48C. O conector para aCSU/DSU de 56k de quatro fios é um RJ-48S. Ambos os conectores são compatíveis com plugues RJ-45.

  • Execute estes passos para criar um plugue de loopback para uma CSU/DSU T1:

    1. Use cortadores de fio para criar um cabo RJ-45 funcional com 5 polegadas de comprimento ligado a um conector.

    2. Retire os fios.

    3. Entrelace os fios dos pinos 1 e 4 juntos.

    4. Entrelace os fios dos pinos 2 e 5 juntos.

    5. Não mexa no resto dos fios.

  • Execute estes passos para criar um plugue de loopback para uma CSU/DSU de 56K:

    1. Use cortadores de fio para criar um cabo RJ-45 funcional com 5 polegadas de comprimento ligado a um conector.

    2. Retire os fios.

    3. Entrelace os fios dos pinos 1 e 7 juntos.

    4. Entrelace os fios dos pinos 2 e 8 juntos.

    5. Não mexa no resto dos fios.

Testes de Loopback Assistidos pela Companhia de Telecomunicações

Nota: Consulte o Loop Assistido por Companhia de Telecomunicações para Roteador no diagrama acima.

Use testes de CSU/DSU para testar a CSU/DSU, o roteador e o cabo que as conectam (para uma CSU/DSU externa) a ambos os lados do circuito. Se você puder eliminar um problema com eles, envolva a companhia de telecomunicações ou o provedor. Esses testes de loopback são feitos com assistência da companhia de telecomunicações, mas não são executados de forma independente por ela.

Note: Esses testes não são os mesmos que o diagnóstico ou o Teste de Taxa de Erros de Bits (BERT) na linha que a companhia de telecomunicações usa.

Para esses testes de loopback, a companhia de telecomunicações deve ser envolvida, pois você solicitou que ela fornecesse loopbacks para suas instalações dos switches de telecomunicações. Monitore o circuito em loop do roteador. Para fazer isso, você necessita de uma "divisão do circuito" no switch da companhia de telecomunicações mais próximo ao seu roteador. Por exemplo, a companhia de telecomunicações deve fornecer um loopback no primeiro switch pelo qual o seu circuito passa e fazer o loop desse circuito de volta para o seu roteador. Dessa forma, você poderá isolar a nuvem de switches da companhia de telecomunicações. Em seguida, você testará apenas a parte do circuito entre o primeiro switch da companhia de telecomunicações e seus CSU/DSU, SmartJack e roteador.

Consulte a seção Testes de Diagnóstico Durante Loopback para obter informações sobre o que deve ser verificado durante o loopback.

Se você concluir o teste de "Primeiro Switch" e comprovar que ele pode ser executado sem erros, execute o mesmo procedimento no fim remoto do circuito. O fim remoto é o roteador no outro lado da nuvem do provedor. Se o fim remoto for o seu provedor de serviços de Internet (ISP), você deverá envolver o ISP para ajudar a testar essa parte do circuito.

Teste o "Primeiro Switch" em ambos os lados. Se não houver problemas, você poderá usar essa informação para indicar que o problema está na nuvem da companhia de telecomunicações. A companhia poderá investigar através de seu próprio teste de circuito neste momento. Como alternativa, ela poderá continuar o teste de loopback com você. A companhia de telecomunicações pode fazer isso desativando um switch de cada vez na nuvem da companhia de telecomunicações. Em cada switch, ela deve executar um loopback para o roteador local.

Se os testes de "Primeiro Switch" indicarem um problema no circuito entre o primeiro switch da companhia de telecomunicações e o seu roteador, a companhia poderá ajudá-lo a testar essa parte do circuito. Ela pode fazer loop de vários equipamentos para testes de diagnóstico entre o SmartJack no qual você conecta a sua CSU/DSU e o primeiro switch da companhia. Tenha em mente que, se você possuir um ponto de demarcação estendido, será necessário investigá-lo como uma área de problema em potencial. Quando pontos de demarcação estendidos são estabelecidos incorretamente, eles poderão produzir erros na linha. Pontos de demarcação estendidos ocorrem quando o provedor estende o ponto de demarcação original para um local mais próximo do equipamento do cliente.

Testes de Diagnóstico Durante Loopback

O melhor teste para executar durante os loopbacks descritos acima é um ping estendido. Você deve executar este teste e monitorar erros do comando show interface serial na interface.

Preparação para o Teste de Ping Estendido

Execute estes passos para se preparar para o teste de ping estendido:

  1. Use o comando show interface serial para verificar se o roteador possui encapsulamento HDLC na interface e se a interface vê o loopback.

    Aqui está um exemplo das primeiras linhas da saída:

    Router#show interface serial 0
    Serial0 is up, line protocol is up (looped)
    Hardware is HD64570
    Internet address is 10.1.1.1, subnet mask is 255.255.255.0
    MTU 1500 bytes, BW 1544 Kbit, DLY 20000 usec, rely 255/255, load 1/255
    Encapsulation HDLC, loopback set, keepalive set (10 sec)
    ...
  2. Use o comando show running-config para verificar se a interface possui um endereço IP exclusivo que não esteja compartilhado com qualquer outra interface.

    Se a interface serial acima não possuir seu próprio endereço IP, obtenha um endereço exclusivo e atribua-o à interface.

     Router(config-if)#ip address 172.22.53.1 255.255.255.0
    
  3. Use o comando clear counters para limpar os contadores da interface.

    Por exemplo:

     Router#clear counters
     Clear "show interface" counters on all interfaces [confirm]
     Router#
    
  4. Execute o teste de ping estendido como descrito na seção Execução de Testes de Ping Estendido.

Execução de Testes de Ping Estendido

O comando ping é um teste útil disponível nos dispositivos Inter-rede da Cisco, bem como na maioria dos sistemas de hosts. No TCP/IP, essa ferramenta de diagnóstico também é conhecida como uma Solicitação de Eco de ICMP.

Nota: O comando ping é especificamente útil quando a saída show interfaces serial registra altos níveis de erros de entrada.

Os dispositivos Inter-rede da Cisco fornecem um mecanismo para enviar pacotes de ping em sequência automaticamente.

Execute estes passos para executar testes de ping estendidos de linhas seriais:

  1. Execute o teste de ping estendido. Para isso, execute estes passos:

    1. Digite: ping ip

    2. Target address = insira o endereço IP da interface local à qual o endereço IP acabou de ser atribuído.

    3. Repeat count = 50

    4. Datagram size = 1500

    5. Timeout = pressione ENTER

    6. Extended cmds = yes

    7. Source Address = pressione ENTER

    8. Type of service = pressione ENTER

    9. Set Df bit in ip header = pressione ENTER

    10. Validate reply data = pressione ENTER

    11. Data pattern: 0x0000

    12. Pressione ENTER três vezes.

    Observe que o tamanho do pacote de ping é 1500 bytes e que estamos executando um ping com apenas zeros (0x0000). Além disso, a especificação da contagem de pings é definida como 50. Portanto, nesse caso, cinquenta pacotes de ping de 1500 bytes serão enviados.

    Este é um exemplo de saída:

    Router#ping ip
    Target IP address: 172.22.53.1
    Repeat count [5]: 50
    Datagram size [100]: 1500
    Timeout in seconds [2]:
    Extended commands [n]: yes
    Source address or interface:
    Type of service [0]:
    Set DF bit in IP header? [no]:
    Validate reply data? [no]:
    Data pattern [0xABCD]: 0x0000
    Loose, Strict, Record, Timestamp, Verbose[none]:
    Sweep range of sizes [n]:
    Type escape sequence to abort.
    Sending 50, 1500-byte ICMP Echos to 172.22.53.1, timeout is 2 seconds:
    Packet has data pattern 0x0000
    !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Success rate is 100 percent (50/50), round-trip min/avg/max = 4/4/8 ms
    Router#
    
  2. Execute testes de ping estendidos adicionais com diferentes padrões de dados.

    Por exemplo:

    Repita o passo 1, mas use um Padrão de Dados 0x1111

    Repita o passo 1, mas use um Padrão de Dados 0xffff

    Repita o passo 1, mas use um Padrão de Dados 0xaaaa

  3. Verifique se todos os testes de ping estendido foram concluídos com 100% de êxito.

  4. Examine a saída do comando show interface serial para determinar se os erros de entrada aumentaram.

    Se os erros de entrada não tiverem aumentado, provavelmente o hardware local (DSU, cabo, placa de interface de roteador) está em boas condições. Além disso, procure verificações de redundância cíclica (CRC), frames ou outros erros. Procure a quinta e a sexta linhas da parte inferior da saída do comando show interface serial para verificar isso.

    Se todos os pings forem concluídos com 100% de êxito e os erros de entrada não tiverem aumentado, provavelmente o equipamento nesta parte do circuito está em boas condições. Vá para o próximo teste de loopback a ser executado.

  5. Remova o loopback da interface. Para isso, remova o plugue de loopback, os comandos de loopback de software ou solicite que a companhia de telecomunicações remova o seu loopback. Em seguida, restaure o seu roteador à configuração original.


Discussões relacionadas da comunidade de suporte da Cisco

A Comunidade de Suporte da Cisco é um fórum onde você pode perguntar e responder, oferecer sugestões e colaborar com colegas.


Document ID: 5708