IP : Border Gateway Protocol (BGP)

Perguntas mais frequentes sobre IP Routing

19 Setembro 2015 - Tradução por Computador
Outras Versões: Versão em PDFpdf | Tradução Manual (23 Maio 2008) | Inglês (22 Agosto 2015) | Feedback


Índice


Introdução

Este documento fornece respostas a algumas de mais perguntas mais frequentes sobre Roteamento IP.

Nota:  Para obter informações sobre das convenções de documento, refira convenções dos dicas técnicas da Cisco.

Q. Que significa ter rapidamente ou switching independente “permitido” e “desabilitado” no mesmos conecta?

A. Olhe este exemplo:

Ethernet 6 is up, line protocol is up
      Internet address is 192.192.15.1, subnet mask is 255.255.255.0       
      Broadcast address is 192.192.15.255
      Address determined by non-volatile memory MTU is 1500 bytes
      Helper address is 192.192.12.5
      Outgoing access list is not set
      Proxy ARP is enabled
      Security level is default
      Split horizon is enabled
      ICMP redirects are always sent
      ICMP unreachables are always sent
      ICMP mask replies are never sent
      
      IP autonomous switching is enabled
      IP autonomous switching on the same interface is disabled 
      ^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^
      Gateway Discovery is disabled
      IP accounting is disabled
      TCP/IP header compression is disabled
      Probe proxy name replies are disabled

Se você permite rapidamente ou switching independente em uma relação, os pacotes que vêm de toda a outra relação no roteador são fast-switched (ou autônomo-comutado) a essa relação. Se você permite o switching independente ou rápido da mesma interface, os pacotes cujo o endereço de rementente e destinatário é o mesmo são rápidos ou autônomos comutados.

Você pode usar o switching independente ou rápido da mesma interface nos casos onde você tem os links MACILENTOS do Frame Relay ou do Asynchronous Transfer Mode (ATM) configurados como subinterfaces na mesma interface principal. Uma outra situação é quando você está usando redes secundárias em interfaces de LAN, como durante a migração do endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT. A fim permitir o switching rápida de mesma interface, use o comando ip route-cache same-interface configuration.

Q. Como a carga está compartilhada entre duas linhas paralela de capacidade igual quando estas linhas são configuradas para o Balanceamento de carga?

A. Para o IP, se o roteador é interruptor rápido, carga equilibra em uma base do destino per. Se o roteador é processo que comuta, carga equilibra em uma base do pacote per. Para mais informação, refira como faz o trabalho da função de balanceamento de carga? O software de Cisco IOS� igualmente apoia pelo pacote e pela carga de destino que equilibra com Cisco Express Forwarding (CEF). Para mais informação, refira o Balanceamento de carga com CEF e o Balanceamento de carga do Troubleshooting sobre enlaces paralelos usando o Cisco Express Forwarding.

Q. Que a sumarização de rota significa?

A. A sumarização é o processo por que nós desmoronamos muitas rotas com uma máscara longa para formar uma outra rota com uma máscara mais curto. Refira a sumarização de OSPF e rota e a seção da “sumarização” do protocolo enhanced interior gateway routing para mais informação. O comando do resumo automático trabalha somente se você tem sub-redes contíguas. Se você trabalha com sub-redes descontínuas, você precisa de usar o comando interface configuration do sumário-endereço IP em cada relação que participa no processo de roteamento onde você quer configurar a sumarização.

Q. Quando um roteador Cisco gera uma fonte extingue?

A. Antes dos Software Release 11.3 e 12.0 de Cisco IOS�, um roteador Cisco gera uma fonte extingue somente se não tem o espaço de buffer precisado de enfileirar o pacote. Se o roteador não pode enfileirar o pacote roteado na fila da interface de saída, gera uma fonte extingue e registra uma queda de emissor contra a interface de saída. Se o roteador não é congestionado, não gerará uma fonte extingue.

Você pode olhar o comando show ip traffic que a saída para a fonte extingue enviado. Igualmente olhe a relação da mostra para ver se há alguma gota. Se não há nenhuns, a seguir você não deve ver nenhuma fonte extinguir.

Os Cisco IOS Software Release mais tarde de 11.3 e 12.0 não incluem a fonte extinguem a característica.

Q. Quando um roteador Cisco inicia um pedido de roteamento para fora suas relações?

A. Um roteador Cisco que execute um protocolo de roteamento de vetor de distância inicia um pedido de roteamento para fora suas relações se qualqueras um circunstâncias são estadas conformes:

O pedido é mandado a todas as relações configuradas para esse protocolo específico nenhuma matéria que conectam disparadores o pedido. O pedido está mandado a uma relação somente se aquela é a única relação configurada para o protocolo.

Quando os eventos do igrp debugar IP ou o comando debug ip igrp transactions são permitidos, você vê este em qualqueras um situações:

IGRP: broadcasting request on Ethernet0 
IGRP: broadcasting request on Ethernet1 
IGRP: broadcasting request on Ethernet2 
IGRP: broadcasting request on Ethernet3

Q. Que é a diferença entre o gateway padrão IP, a rede padrão IP, e os comandos ip route 0.0.0.0/0?

A. O comando ip default-gateway é usado quando Roteamento IP é desabilitado no roteador. Contudo, a rede padrão IP e a rota 0.0.0.0/0 IP são eficazes quando Roteamento IP está permitido no roteador e estão usados para distribuir todos os pacotes que não tiverem um fósforo da rota exata na tabela de roteamento. Refira configurar um Gateway of Last Resort usando o comando ip para mais informação.

Q. Como eu uso o comando ip helper-address enviar quadros do protocolo de bootstrap (BOOTP)?

A. O comando ip helper-address toma um argumento do endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT do servidor de BOOTP ou de um endereço de broadcast direcionado para o segmento em que o servidor de BOOTP reside. Você pode igualmente ter múltiplas instâncias do comando com endereços IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT diferentes se você tem mais de um servidor de BOOTP. O comando ip helper-address pode igualmente ser usado em relações secundárias individuais.

Q. O Enhanced Interior Gateway Routing Protocol (EIGRP) redistribui com o protocolo de IP Routing IGRP automaticamente. O EIGRP igualmente interage com o protocolo de IP Routing do Routing Information Protocol (RIP)?

A. O EIGRP pode interagir com o RASGO usando os comandos redistribute. Porque o RASGO e o EIGRP são tão fundamentalmente diferentes, a interação automática produziria provavelmente imprevisível e resultados indesejados. Contudo, a interação automática é possível entre o EIGRP e o IGRP devido a suas similaridades de arquitetura. Refira a redistribuição de protocolos de roteamento para mais informação.

Q. Como eu configuro meu roteador para preferir uma rota do Open Shortest Path First (OSPF) sobre uma rota de EIGRP quando a rota é instruída de ambas as fontes?

A. A resposta curto é usar o comando distance sob o processo de roteamento. O OSPF tem uma distância administrativa padrão de 110 e o EIGRP tem uma distância administrativa padrão de 90 para rotas internas. Se os mesmos prefixos da rota são instruídos sob ambos os protocolos de roteamento, as rotas aprendidas EIGRP estarão instaladas na tabela de IP Routing devido à distância administrativa mais baixa (90 são menos de 110). A chave a ter as rotas de OSPF instaladas no Routing Information Base (RIB), em vez das rotas de EIGRP, é fazer a distância administrativa de OSPF menos do que aquele do EIGRP esses usos o comando distance ospf. Para aprender mais sobre a distância administrativa, refira o que é distância administrativa?

Q. Faz o uso de atualizações de roteamento regulares do filtro das lista de controle de acesso de IP estendido (ACL) (tais como o OSPF)? Eu preciso de permitir explicitamente o Multicast IPs usado por protocolos de roteamento (tais como 224.0.0.5 e 224.0.0.6, no caso do OSPF) para que as atualizações assegurem o trabalho apropriado dos protocolos de roteamento?

A. Todo o IP ACL em uma relação é aplicado a qualquer tráfego IP nessa relação. Todos os pacotes das atualizações de Roteamento IP são segurados como pacotes IP regulares a nível de interface, e, assim, são combinados com o ACL definido na relação usando o comando access-list. Para assegurar-se de que as atualizações de roteamento não estejam negadas por ACL, permita-os que usam as seguintes indicações.

Para permitir o uso do RASGO:

access-list 102 permit udp any any eq rip 

Para permitir o uso IGRP:

access-list 102 permit igrp any any

Para permitir o uso EIGRP:

access-list 102 permit eigrp any any 

Para permitir o uso OSPF:

access-list 102 permit ospf any any 

Para permitir o Protocolo de Gateway de Limite (BGP), use:

access-list 102 permit tcp any any eq 179
access-list 102 permit tcp any eq 179 any

Para obter mais informações sobre dos ACL, refira configurar listas de acesso IP e configurar IP de uso geral ACL.

Q. O subcommand da relação nenhum arp ARPA desabilita a função do Address Resolution Protocol (ARP) para uma interface do roteador?

A. Pelo Advanced Research Projects Agency (ARPA) ARP, você significa “interfaces Ethernet” e, à revelia, o ARP ARPA é ajustado sem a pressão arp. Isto significa que o estilo ARP ARPA está enviado, mas o ARPA e o protocolo de acesso de sub-rede de comunicação (PRESSÃO) são respondidos. Não ajustando nenhum arp ARPA, as requisições ARP são desabilitadas, embora as entradas nulas sejam criadas para cada estação a que uma requisição ARP é tentada. Você pode permitir sozinho, o ARPA INSTANTÂNEOS apenas (o padrão), PRESSÃO e ARPA junto (envie dois ARP todas as vezes), ou nem PRESSÃO nem ARPA (que é o que acontece se você não ajusta nenhum arp ARPA sem estabelecer nenhum outro ARP).

Q. Seria possível configurar um roteador para um Ethernet de 255.255.254.0 e uma sub-rede da série de 255.255.252.0? IGRP/RIPv1 apoia o sub-rede variável?

A. Sim é possível configurar estas máscaras de sub-rede. A sub-rede em um roteador Cisco, os bit de sub-rede deve ser contígua, assim que 255.255.253.0 não seria válido (11111111.11111111.11111101.00000000) quando 225.255.252.0 seria válido (11111111.11111111.11111100.00000000). O sub-rede pedindo todo com exceção dos bit um da parcela do host não é permitido. Também, tradicionalmente, o sub-rede com um único bit não foi permitido. As máscaras acima satisfazem estas circunstâncias. Refira o Endereçamento e Divisão em Sub-Redes de IP para Novos Usuários para mais informação.

A versão RIP 1 IGRP não apoia o mascaramento da sub-rede do comprimento variável (VLS). Um roteador único que executa qualquens um protocolos funcionaria muito bem com sub-rede do comprimento variável. Um pacote recebido destinado para uma das sub-redes configuradas seria distribuído corretamente e entregado à relação do destino correto. Contudo, se o VLS e as redes descontígua são configurados através dos roteadores múltiplos no domínio de IGRP, a seguir conduzirá aos problemas de roteamento. Refira porque redes descontígua do apoio NÃO SE RASGA ou IGRP? para obter mais informações.

Os protocolos de IP Routing, o EIGRP, o ISIS, e o OSPF, assim como a versão RIP 2, o apoio VLS, e mais novos devem ser preferidos em seu projeto de rede. Refira a página de suporte técnico dos protocolos de IP Routing para obter mais informações sobre de todos os protocolos de IP Routing.

Q. Pode uma relação ter mais de uma indicação do acesso-grupo IP em sua configuração?

A. Nas versões do Cisco IOS 10.0 e mais atrasado, você pode ter dois comandos ip access-group pela relação (uma para cada sentido):

interface ethernet 0
	ip access-group 1 in
	ip access-group 2 out

Um acesso-grupo é usado para o tráfego de entrada e o um para o tráfego de saída. Refira configurar IP de uso geral ACL e configurar listas de acesso IP para obter mais informações sobre dos ACL.

Q. Posso eu configurar duas relações na mesma sub-rede (t0 = 142.10.46.250/24 e T1 142.10.46.251/24)?

A. Não. Para que o roteamento trabalhe, cada relação deve estar em uma sub-rede diferente. Contudo, se você está construindo uma ponte sobre somente, e não o fazer Roteamento IP, a seguir pode configurar as duas relações na mesma sub-rede.

Q. É possível ter endereços de IP duplicados para duas interfaces serial que pertencem ao mesmo roteador?

A. Sim, os endereços de IP duplicados são permitidos em interfaces serial. É uma maneira de mais eficiente de empacotamento liga junto (IE. MLPPP) e igualmente uma maneira melhor preservar o espaço de endereços. Mude o encapsulamento do padrão HDLC ao PPP a fim atribuir endereços de IP duplicados.

Q. Eu tenho preliminar e os endereços IP secundários configurados em uma interface Ethernet e em meu roteador estão executando o RASGO (um protocolo de roteamento de vetor de distância). Como o horizonte dividido afeta as atualizações de roteamento?

A. Refira como o horizonte rachado efetua atualizações de roteamento RIP/IGRP quando os endereços secundários são involvidos.

Q. Há uma vantagem do desempenho ao usar o a palavra-chave da lista de acesso IP estabelecida em um ACL extendido? Usar-se “estabelecida” faz a lista de acessos mais vulnerável? Você tem exemplos específicos do uso?

A. Não há nenhuma vantagem real do desempenho. A palavra-chave estabelecida significa simplesmente que pacotes com o reconhecimento (ACK) ou os bit da restauração (RST) ajustados são deixaram completamente. Para aprender geralmente mais sobre ACL, refira configurar listas de acesso IP.

O palavra-chave estabelecida permite que os host internos façam conexões de TCP externos e recebam o tráfego de controle do retorno. Na maioria de encenações, este tipo de ACL seria essencial em uma configuração de firewall. O mesmo resultado pode igualmente ser conseguido usando ACLs reflexivo ou Context-Based Access Control. Refira configurar IP de uso geral ACL para algumas configurações de amostra.

Q. Eu tenho quatro caminhos paralelos dos custos iguais ao mesmo destino. Eu estou fazendo o interruptor rápido em dois links e processos que ligam os outros dois. Como os pacotes serão distribuídos nesta situação?

A. Supõe que nós temos quatro caminhos de custo igual a algum grupo de redes IP. As relações 1 e 2 o interruptor rápido (cache de rota IP permitido na relação), 3 e 4 não fazem (nenhum cache de rota IP). O roteador estabelece primeiramente os quatro caminhos de custo igual em uma lista (trajeto 1, 2,3, e 4). Quando você fizer uma rota x.x.x.x da mostra IP, os quatro “saltos seguintes” ao indicador x.x.x.x.

O ponteiro é chamado interface_pointer em ciclos do interface_pointer da relação 1. através das relações e em rotas em alguma forma determinística em ordem tal como 1-2-3-4-1-2-3-4-1 e assim por diante. A saída da rota x.x.x.x da mostra IP tem “*” à esquerda do “salto seguinte” usos desse interface_pointer para um endereço de destino não encontrado no esconderijo. Cada vez que esse interface_pointer é usado, avança à relação ou à rota seguinte.

Para ilustrar melhor o ponto, considere este laço de repetição:

  • Um pacote entra, destinado para uma rede prestada serviços de manutenção pelos quatro caminhos paralelos.

  • O roteador verifica para ver se está no esconderijo. (O esconderijo parte vazio.)

  • Se está no esconderijo, o roteador envia-o à relação armazenada no esconderijo. Se não, o roteador envia-o à relação onde o interface_pointer é e move o interface_pointer para a relação seguinte na lista.

  • Se a relação sobre que o roteador apenas enviou o pacote é cache de rota running, o roteador povoa o esconderijo com essa relação ID e o endereço IP de destino. Todos os pacotes subsequente ao mesmo destino são comutados então usando a entrada de cache da rota (assim são fast-switched).

Se há dois caches de rota e duas interfaces sem cache de rota, há uma probabilidade dos por cento dos 50 pés que uma entrada sem cache baterá uma relação que ponha em esconderijo entradas, pondo em esconderijo esse destino a essa relação. Ao longo do tempo, as relações que executam o interruptor rápido (cache de rota) levam todo o tráfego exceto destinos não no esconderijo. Isto acontece porque uma vez que um pacote a um destino é comutado por processo sobre uma relação, o interface_pointer se move e aponta à relação seguinte na lista. Se esta relação é igualmente comutado por processo, a seguir o segundo pacote é comutado por processo sobre a relação e o interface_pointer move-se sobre para apontar à relação seguinte. Desde que há somente duas interfaces comutadas por processamento, o terceiro pacote distribuirá à relação fast-switched, que, por sua vez, porá em esconderijo. Posto em esconderijo uma vez no cache de rota IP, todos os pacotes ao mesmo destino serão fast-switched. Assim, há uma probabilidade dos por cento dos 50 pés que uma entrada sem cache baterá uma relação que ponha em esconderijo entradas, pondo em esconderijo esse destino a essa relação.

Em caso de uma falha de uma interface comutada por processamento, a tabela de roteamento é atualizada e você teria três caminhos de custo igual (dois fast-switched e um comutado por processo). Ao longo do tempo, as relações que executam o interruptor rápido (cache de rota) levam todo o tráfego exceto destinos não no esconderijo. Com interfaces sem cache de rota dois cache de rota e uma, há uma probabilidade de 66 por cento que uma entrada sem cache baterá uma relação que ponha em esconderijo entradas, pondo em esconderijo esse destino a essa relação. Você pode esperar que as duas interfaces comutadas rápidas levarão todo o tráfego ao longo do tempo.

Similarmente quando uma interface comutada rápida falha, você teria três caminhos de custo igual, um fast-switched e dois comutados por processo. Ao longo do tempo a relação que executa o interruptor rápido (cache de rota) leva todo o tráfego exceto destinos não no esconderijo. Há uma probabilidade de 33 por cento que uma entrada sem cache bateria uma relação que as entradas ocultas, pondo em esconderijo esse destino a essa relação. Você pode esperar que a interface única com pôr em esconderijo permitido levará todo o tráfego ao longo do tempo neste caso.

Se nenhuma relação é cache de rota running, os arredondamentos robin do roteador o tráfego em uma base do pacote-por-pacote.

Em conclusão, se os caminhos iguais múltiplos a um destino existem, alguns são comutados por processo quando outro forem comutados rapidamente, a seguir a maioria do tráfego estarão levados ao longo do tempo pelas relações fast-switched somente. O Balanceamento de carga alcançado assim não é o melhor e pôde em alguns casos abaixar o desempenho. Consequentemente, recomenda-se que você faz um do seguinte:

  • Não tenha todo o cache de rota ou nenhum cache de rota em todos os trajetos das relações paralelamente.

    ou

  • Espere que as relações com pôr em esconderijo permitido levarão todo o tráfego ao longo do tempo.

Q. Que é Unicast Reverse Path Forwarding (uRPF)? Pode uma rota padrão 0.0.0.0/0 ser usada para executar uma verificação do uRPF?

A. O Unicast Reverse Path Forwarding, usado impedindo a falsificação de endereço de origem, é do “uma capacidade olhar para trás” que permita que o roteador verifique e considere se qualquer pacote IP recebido em uma interface do roteador chega no melhor caminho de retorno (retorne a rota) ao endereço de origem do pacote. Se o pacote foi recebido de uma das melhores rotas do caminho reverso, o pacote é enviado como o normal. Se não há nenhuma rota do caminho reverso na mesma relação de que o pacote esteve recebido, o pacote é deixado cair ou enviado, segundo se um Access Control List (ACL) está especificado no IP verifique o comando interface configuration da lista do caminho reverso do unicast. Para mais informação, refira o capítulo configurando do Unicast Reverse Path Forwarding do manual de configuração do Cisco IOS Security, Versão 12.2.

A rota padrão 0.0.0.0/0 não pode ser usada para executar uma verificação do uRPF. Por exemplo, se um pacote com endereço de origem 10.10.10.1 vem na relação do Serial 0 e a única rota que combina 10.10.10.1 é o Serial 0 de indicação da rota padrão 0.0.0.0/0 no roteador, a verificação do uRPF falha e deixa cair esse pacote.

Q. Quem faz a função de balanceamento de carga quando há uns links múltiplos a um destino, ao Cisco Express Forwarding (CEF), ou ao protocolo de roteamento?

A. O CEF faz o interruptor do pacote baseado na tabela de roteamento que está sendo povoada pelos protocolos de roteamento tais como o EIGRP, RASGO, Open Shortest Path First (OSPF), e assim por diante. O CEF faz a função de balanceamento de carga uma vez que a tabela do protocolo de roteamento foi calculada. Para mais detalhes no Balanceamento de carga, refira como faz o trabalho da função de balanceamento de carga?

Q. Que são o número máximo de addesses secundários IP que podem ser configurados em uma interface do roteador?

A. Não há nenhum limite em configurar endereços IP secundários em uma interface do roteador. Para mais informação, refira configurar o endereçamento de IP.

Q. Que é o contador de controle da pausa?

A. O contador de controle da pausa indica o número de vezes as requisições de roteador um outro roteador retardar o tráfego. Por exemplo, dois Roteadores, o roteador A e o roteador B, são conectados através de um link com o controle de fluxo permitido. Se o roteador B enfrenta uma intermitência de tráfego, o roteador B envia um pacote de saída da pausa para informar o roteador A para retardar o tráfego porque o link é oversubscribed. Naquele tempo, o roteador A recebe um pacote de entrada da pausa que o informe que do pedido enviado pelo roteador B. Pausa output/pacotes de entrada não são um problema ou um erro. São simplesmente pacotes de controle de fluxo entre dois dispositivos.

Q. Podem uma interface de VLAN e uma interface de túnel ter o mesmo endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT?

A. Não Construir uma ponte sobre sobre o túnel não é apoiada, porque o túnel exige o tráfego IP ser encapsulado em um cabeçalho de GRE, e você não pode encapsular o tráfego da camada 2.

Q. Que é o roteamento virtual e a transmissão (VRF)?

A. O roteamento virtual e a transmissão (VRF) são uma tecnologia incluída no Roteadores da rede IP que permita que as múltiplas instâncias de uma tabela de roteamento existam em um roteador e trabalhem simultaneamente. Isto aumenta a funcionalidade porque permite que os caminhos de rede sejam segmentados sem o uso dos dispositivos múltiplos. Porque o tráfego é segregado automaticamente, o VRF igualmente aumenta a segurança de rede e pode eliminar a necessidade para a criptografia e a autenticação. Os provedores de serviço da Internet (ISP) aproveitam-se frequentemente do VRF a fim criar o Virtual Private Networks (VPNs) separado para clientes. Consequentemente a tecnologia é referida igualmente como o VPN Routing and Forwarding.

O VRF atua como um roteador lógico, mas quando um roteador lógico puder incluir muitas tabelas de roteamento, um exemplo VRF usa somente uma única tabela de roteamento. Além, o VRF exige uma tabela do forwarding que designem o salto seguinte para cada pacote de dados, uma lista de dispositivos que podem ser convidados para enviar o pacote, e um conjunto de regras e os protocolos de roteamento que governam como o pacote é enviado. Estas tabelas impedem que o tráfego esteja enviado fora de um trajeto específico VRF e igualmente mantêm para fora o tráfego que deve permanecer fora do trajeto VRF.

Q. Como eu conecto o dois ISP diferentes e distribuo o tráfego diferente aos ISP diferentes?

A. O Policy Based Routing (PBR) é a característica que permite que você distribua o tráfego aos ISP diferentes baseados no endereço de origem.

Q. Que é a diferença entre os dois métodos para criar rotas estáticas?

A. Há dois métodos para criar rotas estáticas:

  • O comando do eth 0/0 de 10.1.1.1 255.255.255.0 da rota IP gera uma transmissão ARP que procure o endereço IP do próximo salto.

  • O comando de 10.1.1.1 255.255.255.0 172.16.1.1 da rota IP não gera uma requisição ARP. Mantém a camada 2 do processo de roteamento.

Q. Que é a finalidade das portas 2228 e 56506?

A. As portas 2228 e 56506 não são números de porta registrados. Podem ser usados por todo o aplicativo. Alguns aplicativos iniciam uma conexão com estes números de porta. Devido a isto, os números de porta são mostrados na saída do comando show ip sockets. Se os números de porta precisam de ser obstruídos, configurar uma lista de acesso a fim obstruir as portas.

Q. Que é a diferença entre subinterfaces ponto a ponto e subinterfaces do multi-ponto?

A. As interfaces Point-to-Point são usadas em uma comunicação serial. Estes tipos de conexão são supostos para transmitir unicamente à estação no extremo oposto. Os exemplos de ponto a ponto são EIA/TIA 232, EIA/TIA 449, X.25, Frame Relay, T-portador, e OC3 - OC192.

O ponto a multiponto conecta uma estação a diversas outras estações. O ponto a multiponto é de dois tipos

  • Ponto a multiponto sem transmissão

  • Transmissão point-to-multipoint

Em sem transmissão point-to-multipoint, a comunicação replicated a todas as estações remotas. As somente estações específicas, selecionadas ouvem a comunicação replicated. Os exemplos são Frame Relay e ATM.

A transmissão point-to-multipoint é caracterizada por um medum físico que conecte a todas as máquinas e por onde toda a comunicação é ouvida por todas as estações.

Q. Pode você configurar o MTU diferente para subinterfaces sob a mesma interface principal? Como o Roteadores 7500/GSR/ESR se comporta nesta encenação?

A. Você pode configurar IP diferente MTU com o comando ip mtu em subinterfaces diferentes. Quando você muda o MTU em uma subinterface, o roteador verifica o MTU da interface principal. Se a interface principal MTU é ajustada a um valor mais baixo do que esse configurado na subinterface, o roteador muda o MTU na interface principal para combinar com a subinterface. Assim, o MTU físico configurado com o comando mtu na interface principal precisa de ser mais alto do que o IP MTU configurado nas relações secundárias.

A memória de pacotes é cinzelada baseou no MTU o mais alto configurado em 75000/GSR. Há uma exceção a este; a placa de linha do motor 4+ não exige para cinzelar bufferes na mudança MTU. No ESR, a memória de pacotes é cinzelada no tempo da bota e não afetada por configurações MTU. Assim se você muda o MTU, você não deve ter nenhum impacto no ESR.

Q. Como você limita o número de sessões quando um cliente alcança a rede?

A. Se os clientes usam o mesmo endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT, a seguir use o comando original do endereço do ipcp ppp a fim reduzir o número de sessões que o cliente usa.

Q. Como a idade dos dados de contabilidade é calculada?

A. Os dados de contabilidade envelhecem incrementos que seu valor em uma 1 base minuto desde a contabilidade IP do tempo foi permitido. Isto continua até que o comando clear ip accounting esteja emitido, que o restaura de 0.

Q. Que o ponto inicial e o intervalo do termo na operação IP SLA significam?

A. Conjuntos de limiares a elevação de limiar que gera um evento da reação e armazena a informação de história para uma operação IP SLA.

O intervalo ajusta a quantidade de tempo que uma operação IP SLA espera uma resposta de seu pacote de requisição.

Q. Que é o significado do tempo mencionado na entrada de tabela de roteamento?

A. Esta é a idade da rota na tabela de roteamento. É o período de tempo para que a rota esta presente na tabela de roteamento.

Q. Que é o bloco de descritor da rede (NDB)?

A. É a informação de rede, que é armazenada na “tabela de roteamento” com bloco de descritor de roteamento (RDB). A memória para guardar os prefixos aprendidos tabela de IP Routing é dividida no NDB e no RDB. Cada rota no Routing Information Base (RIB) exige um NDB e um RDB para cada trajeto. Se a rota é sub-rede, a memória adicional está exigida a fim manter o NDB, e o uso da memória direta para o RIB IP pode ser mostrado com o comando show ip route summary.

Discussões relacionadas da comunidade de suporte da Cisco

A Comunidade de Suporte da Cisco é um fórum onde você pode perguntar e responder, oferecer sugestões e colaborar com colegas.


Informações Relacionadas


Document ID: 28745