Guest

Cisco prevê triplicação do tráfego IP entre 2014 e 2019

Hierarchical Navigation

Em 2019, mais de dois terços do tráfego IP global terá origem nas conexões móveis (incluindo WiFi), ao passo que o vídeo IP representará cerca de 80% do total de tráfego.


Segundo o décimo Relatório Cisco® Visual Networking Index (VNI) Global Forecast and Service Adoption 2014-2019, o tráfego IP anual vai triplicar – atingindo os 2 zettabytes (mais de dois biliões de Gigabytes anuais) – entre 2014 e 2019, o que representa uma taxa de crescimento anual composta de de 23% entre 2014 e 2019. Entre os principais fatores de crescimento estão o aumento do número de utilizadores da Internet, dispositivos pessoais e conexões Máquina-a-Máquina (M2M), maiores velocidades nos acessos de banda larga e a adoção de serviços de vídeo avançados. Em conjunto, espera-se que estas variáveis gerem um tráfego IP global com uma taxa de crescimento de 23% - a primeira subida do valor da taxa de crescimento numa década de previsões do VNI.

Global IT Traffic & Service Adoption Drivers

Previsões para o Tráfego IP Global e Serviços:

A Cisco prevê que o tráfego global de dados IP atinja os 168 exabytes por mês em 2019, mais 59.9 exabytes por mês que em 2014. Em 2019, o fluxo de tráfego nas redes IP vai ser quase tanto quanto o total acumulado entre 1984 e 2013, os chamados “Anos da Internet”. Vários elementos vão moldar o tráfego IP nos próximos anos:

  • Mais Utilizadores da Internet – À medida que se expandem as redes fixas e móveis, um maior número de pessoas terá acesso á Internet. Em 2019, haverá cerca de 3.900 milhões de utilizadores de Internet (cerca de 51% da população mundial prevista: 7.600 milhões de habitantes de acordo com a ONU). Em 2014, o número de internautas à escala global foi de 2.800 milhões (39% da população total mundial, situada nos 7.200 milhões).
  • Mais Dispostivos e Conexões – Com 24.000 milhões de dispositivos/conexões online previstos para 2019 (face aos 14.000 milhões contabilizados em 2014), as redes dos operadores de telecomunicações deverão adaptar-se ao crescente número de dispositivos de última geração, incluindo tablets, smartphones e TVs de ultra alta definição (UHD) com acesso à Internet, para além das conexões M2M e dispositivos wearable como relógios inteligentes e monitores de saúde. Em 2019 haverão 3,2 dispositivos/conexões em rede per capita à escala global, contra os 2 registados em 2014. Estes dispositivos avançados deverão ser autenticados para obter acesso às redes fixas e móveis, o que requer melhorias na inteligência, gestão e segurança. Neste sentido, é fundamental uma estratégia para suportar a massificação do protocolo IPv6, para que as operadoras possam gerir o crescente volume e complexidade dos dispositivos e conexões de nova geração. Cerca de 41% de todos os dispositivos/Conexões fixas e móveis serão compatíveis com IPv6 em 2019 (22% em 2014).  
  • Maior Velocidade de Banda Larga Fixa – A nível global, a velocidade média de banda larga fixa vai duplicar entre 2014 e 2019, dos 20,3 Mbps para os 42,5 Mbps. Em termos anuais, a velocidade média de banda larga fixa cresceu 26% à escala global entre 2013 e 2014, dos 16 para os 20,3 Mbps. Por regiões, a Europa Ocidental e a Ásia-Pacífico continuarão a liderar a velocidade em conexões de banda-larga fixa e tanto a América do Norte como outras regiões estão a atualizar os seus recursos de rede para suportar um maior número de aplicações e conteúdos com utilização intensiva de largura de banda, tal como o vídeo em ultra alta definição. Em 2019, 33% de todas as conexões de banda larga fixa à escala global irão superar os 25 Mbps (comparando com 29% atualmente) e 26% ultrapassarão os 50 Mbps (14% atualmente). Para mais detalhes sobre as previsões de velocidades de banda larga móvel, pode aceder ao Relatório Anual VNI Mobile Update, publicado em Março deste ano. 
  • Novos e Avançados Serviços de Vídeo – o vídeo IP representará 80% de todo o tráfego IP em 2019, contra os 67% que representou em 2014.  O aumento de serviços de vídeo avançados – como a ultra alta definição e o vídeo esférico/a 360º - e de aplicações M2M baseadas em vídeo poderão significar novos requisitos de largura de banda e escalabilidade para os fornecedores de serviços. Também os utilizadores residenciais, empresariais e móveis continuarão a consumir estes serviços através de todos os tipos de redes e dispositivos. Qualidade, facilidade de utilização, experiência do utilizador e preço serão requisitos chave nas ofertas dos operadores.
  • Aumento da Mobilidade – Em 2019, mais de 14% do tráfego IP mensal virá de conexões celulares à escala global, ao passo que 53% resultará de conexões WiFi. Esta evolução reflete a crescente importância em estabelecer estratégias móveis diferenciadas por parte dos fornecedores de serviços. 
    • WiFi e dispositivos móveis conectados gerarão 67% de todo o tráfego IP em 2019 (WiFi cerca de 53% e as conexões celulares outros 14%), face ao tráfego proveniente de acessos fixos que representará 33% de todo o tráfego à escala global.
    • Em 2014, o tráfego fixo representou 54% de todo o tráfego IP, enquanto o WiFi representou 42% e o celular apenas 4%. 
  • A Internet of Everything (IoE) e o Crescimento das Conexões M2M – O aumento das conexões M2M – que vão triplicar nos próximos cinco anos até alcançarem 10.500 milhões a nível global – contribuem significativamente para a evolução da IoE. Esta está a ser adotada por diversos setores – incluindo indústria, retalho, transporte, cuidados de saúde ou agricultura – e para casas inteligentes (contadores inteligentes, câmaras de vigilância, controladores de temperatura e iluminação, etc.).
    • O sector da saúde vai registar o crescimento mais rápido entre as conexões M2M, aumentando 8,6 vezes entre 2014 e 2019 (taxa de crescimento anual composta de 54%).
    • O segmento das casas interligadas irá representar quase 48% de todas as conexões M2M em 2019.
    • O tráfego global de IP resultante das conexões M2M vai aumentar 15 vezes durante o mesmo período, passando dos 308 Petabytes registados em 2014 (0,5% do tráfego global) para os 4,6 Exabytes em 2019 (2,7% do tráfico IP).
  • Impacto dos Jogos – A Cisco prevê um aumento significativo do tráfego de rede associado a downloads relacionados com jogos, devido à maior capacidade de armazenamento das consolas, ao crescimento do tráfego de upstream na Cloud e à proliferação das conexões de fibra ótica.
  • Adoção de serviços avançados – A música online será o serviço de internet residencial com o crescimento mais rápido, a uma taxa anual de 7,7%, passando assim de 1.200 milhões de utilizadores em 2014 para 1.700 milhões em 2019. Os mobile location-based services (LBS) serão os serviços móveis para consumidores com o crescimento mais acentuado, a uma taxa de anual de 27,5%, entre 2014 e 2019, passando dos 597 milhões de utilizadores para mais de 2.000 milhões em 2019. Por sua vez, a videoconferência pessoal e em desktop será o serviço de internet empresarial com maior expansão, com um aumento anual de 23,5%, passando de 76 milhões para 220 milhões de utilizadores em 2019.

Crescimento do tráfego IP por regiões e países 

Global IT Growth / Top-Line

  • Ásia-Pacífico: 54,4 Exabytes mensais em 2019 (multiplicando-se por 2,6; taxa de crescimento anual composta de 21%)
  • América do Norte: 49,7 Exabytes mensais em 2019 (multiplicando-se por 2,5; taxa de crescimento anual composta de 20%)
  • Europa Ocidental: 24,7 Exabytes mensais em 2019 (multiplicando-se por 2,6; taxa de crescimento anual composta de 21%)
  • Europa Central: 16,9 Exabytes mensais em 2019 (multiplicando-se por 4,1; taxa de crescimento anual composta de 33%)
  • América Latina: 12,9 Exabytes mensais em 2019 (multiplicando-se por 3; taxa de crescimento anual composta de 25%)
  • Médio Oriente e África: 9,4 Exabytes mensais em 2019 (multiplicando-se por 6,3; taxa de crescimento anual composta de 44%)
  • Em 2019, os países que irão gerar um maior volume de tráfego serão os Estados Unidos da América (45,7 Exabytes mensais) e a China (21,9 Exabytes mensais).
  • A África do Sul e a Arábia Saudita acumularão a maior taxa de crescimento do tráfego IP, apresentando uma taxa de crescimento anual composta de 44% entre 2014 e 2019, seguidos pela Indonésia (36%) e Índia (33%).

Crescimento do tráfego IP por tipo de aplicações

Tráfego global de vídeo IP

  • O tráfego global de vídeo IP irá triplicar entre 2014 e 2019, alcançando os 134,8 Exabytes mensais em 2019 (taxa de crescimento anual composta de 27%).
  • O tráfego de vídeo IP constituirá 84% do tráfego IP de consumo em 2019, contra os 75% registados em 2014.
  • O tráfego de vídeo IP representará 63% de todo o tráfego IP empresarial em 2019, contra os 36% contabilizados em 2014.

 Tráfego global de vídeo na Internet

  • O vídeo irá representar 77% de todo o tráfego de Internet (de consumo e empresarial) em 2019, contra os 59% que representava em 2014.
  • O tráfego global de vídeo na Internet irá quadruplicar entre 2014 e 2019, alcançando os 105 Exabytes mensais em 2019 (25 Exabytes mensais em 2014), com uma taxa de crescimento anual composta de 33%.
  • O vídeo constituirá 80% de todo o tráfego de consumo de Internet em 2019, contra os 64% registados em 2014.
  • O vídeo irá representar 65% de todo o tráfego empresarial de Internet em 2019, contra os 38% contabilizados em 2014.
  • O tráfego de vídeo IP constituirá 84% do tráfego IP de consumo em 2019, contra os 75% registados em 2014.
  • O tráfego de vídeo IP representará 63% de todo o tráfego IP empresarial em 2019, contra os 36% contabilizados em 2014.

Tráfego de vídeo na Internet em alta definição (HD) e ultra alta definição (4K)

  • O vídeo avançado em Internet (HD e 4K) irá multiplicar-se por 8,5 entre 2014 e 2019, alcançando os 66 Exabytes mensais em 2019 (taxa de crescimento anual composta de 53%) e representando assim 63% de todo o tráfego de vídeo na Internet.
  • As televisões com capacidade 4K instaladas/in-service irão aumentar dos 9,9 milhões em 2014 para os 371,5 milhões em 2019, representando 31% de todas as televisões com ecrã plano em 2019 (2,7% em 2014).

Tráfego global de video on demand (VoD) no segmento de consumo

  • O VoD no segmento de consumo irá multiplicar-se quase por 2 entre 2014 e 2019, chegando aos 26,8 Exabytes mensais em 2019, com uma taxa de crescimento anual composta de 14%. 

Tráfego IP global no segmento empresarial

  • O tráfego IP empresarial global – que inclui tráfego web, backup, VoIP, etc. – irá duplicar entre 2014 e 2019, alcançando os 29,9 Exabytes mensais em 2019  (taxa de crescimento anual composta de 20%) e representará 18% de todo o tráfego IP mensal à escala global (consumo irá representar 82%). Em 2014, o tráfego IP empresarial representava 20% de todo o tráfego IP mensal à escala global (consumo representava 80%).

Crescimento do tráfego IP por tipo de acesso

Tráfego global fixo/por cabo

  • Entre 2014 e 2019, o tráfego global IP fixo/por cabo irá duplicar, alcançando os 56 Exabytes mensais em 2019, com uma taxa de crescimento anual composta de 11%. Em 2014, o tráfego IP fixo representou 54% de todo o tráfego IP mensal à escala global, passando em 2019 a representar quase 33%.

 Tráfego global fixo/WiFi

  • Entre 2014 e 2019 o tráfego global IP fixo/Wifi irá quadruplicar, alcançando os 1,1 Zettabytes anuais em 2019 (88,1 Exabytes mensais), com uma taxa de crescimento anual composta de 29%. Em 2019 representará então quase 53% de todo o tráfego mensal à escala global, contra os 42% registados em 2014.

Tráfego global de dados móveis

  • Entre 2014 e 2019, o tráfego global de dados móveis irá multiplicar-se por 10, alcançando os 291,8 Exabytes anuais em 2019 (24,3 Exabytes mensais), com uma taxa de crescimento anual composta de 57%. Desta forma, passará a representar quase 14% de todo o tráfego IP mensal à escala global, contra os 4% registados em 2014.

Implicações para fornecedores de serviços

  • Devido ao crescente número de dispositivos – como tablets, smartphones e módulos M2M – que deverão ser autenticados para ter acesso às redes fixas e móveis, não só será necessárias maior capacidade de largura de banda, como também maior inteligência e segurança.
  • A evolução dos serviços de vídeo avançados – como vídeo em alta definição/ultra-alta definição e vídeo esférico/a 360º - e das aplicações M2M pode criar novos requisitos de largura de banda e escalabilidade para os fornecedores de serviços. Estes requisitos surgem como consequência da procura por parte dos utilizadores residenciais, empresariais e móveis, que demonstram o interesse em consumir estes serviços através de todos os tipos de redes e dispositivos, sendo critérios como a qualidade, facilidade de utilização, experiência do utilizador e preço os fatores diferenciadores chave que contribuirão para o êxito das ofertas.
  • A crescente adoção do vídeo no segmento empresarial – como a conferência web, ou a conferência baseada em vídeo de alta definição e video on demand (VoD) – poderá exigir um maior crescimento da virtualização da rede, assim como um maior aproveitamento da Internet para a transmissão de vídeo tanto por parte dos operadores de telecomunicações como dos fornecedores over-the-top (OTP).
  • Em 2019, mais de 14% do tráfego IP mensal à escala global virá de conexões celulares e 53% desse mesmo tráfego terá como origem as conexões WiFi (ou seja, representam mais de dois terços – 67% - de todo o tráfego global mensal à escala global. Esta evolução reflete a crescente importância de estabelecer estratégias móveis diferenciadas por parte dos fornecedores de serviços.
  • As redes IP devem ser suficientemente flexíveis e inteligentes para acomodar a constante introdução e suportar o crescente número de novas aplicações ou de actualizações de aplicações existentes para redes fixas e móveis. Muitos operadores de telecomunicações estão a colaborar ativamente com empresas que desenvolvem conteúdos e aplicações como forma de diferenciarem os seus serviços.

Metodologia do Relatório Cisco VNI
O relatório Cisco VNI baseia-se na análise de dados reais sobre a utilização de dados móveis elaborado por analistas independentes, com os quais a Cisco realiza as suas próprias estimativas sobre o tráfego IP global e sobre a adoção de serviços. Pode encontrar uma descrição detalhada da metodologia utilizada no relatório completo (ver o link mais abaixo).
Declarações de Apoio

  • Doug Webster, Vice Presidente de Marketing de Produtos e Soluções para Fornecedores de Serviços na Cisco: “Para alcançar o prmeiro Zettabyte anual de tráfego IP foram necessários 32 anos, de 1984 a 2016; no entanto, segundo o último Relatório VNI, já  em 2019 seremos capazes de gerar mais de 2 Zettabytes anuais de tráfego IP. À medida que os consumidores, as empresas e a sociedade avançam para uma nova Era Digital impulsionada pela Internet of Everything, o Relatório VNI é fundamental para conhecer as tendências, os desafios e as oportunidades que se criam em múltiplos sectores como o fabrico, o retalho, os transportes, a agricultura e o cuidado sanitário” .

Recursos e ferramentas online do Relatório Cisco VNI

Webcast sobre o Relatório Cisco VNI
A Cisco convida a imprensa, analistas e bloggers a assistir ao Webcast no qual os executivos da Cisco analisarão as consequências do impacto global do tráfego IP para fornecedores de serviços, organizações e consumidores. O webcast pré-gravado tem início às 17h de hoje (horas portuguesa) e pode ser seguido através do registo aqui.